Maria Augusta Orofino
out 16 th, 2018
Empresas 4 Comentários

RH ágil: 6 estágios da transformação digital em RH

Falar sobre transformação digital se tornou um denominador comum em várias áreas, inclusive nos Recursos Humanos (RH). A ideia é utilizar as ferramentas e a metodologia de uma nova era para impactar também as empresas. Com isso, há mudanças significativas no modelo tradicional, como a migração para o RH ágil. A agilidade não é um termo que cabe somente ao setor de Tecnologia da Informação (TI). A metodologia agile está revolucionando a maneira como se contrata e gerencia equipes. Por isso, a transformação digital do RH acaba se tornando um dos pilares de uma organização para o futuro.

 

Com um novo conceito de trabalho sendo implementado pelas empresas, é natural que as necessidades e objetivos sofram mudanças na mesma medida. O RH ágil é uma resposta para soluções inovadoras advindas das novas demandas. Além de um setor responsável por determinadas tarefas, a transformação digital permite que o RH se torne um facilitador e incentivador da inovação. É um modelo que não exatamente utiliza a ampla variedade de ferramentas tecnológicas (embora se aproprie de muitas delas), mas que encontrou um norte dentro da troca de feedbacks objetivos e instantâneos e na gestão de desempenho.

 

Neste ponto, cabe reforçar que a ideia é que o RH ágil não precisa aderir todas as opções tecnológicas, pois, afinal, há uma infinidade delas. Mas que deve conseguir encontrar as melhores ferramentas para automatizar seus processos e construir decisões orientadas a dados. E, outro ponto, a transformação digital do RH não é feita apenas por uma vontade, mas sim por existir um motivo muito forte por trás. Tudo que é novo não deve sobreviver apenas dentro do argumento de “é inovador”. Mas deve ocorrer por que há um objetivo claro. Não caia na pressão de “preciso fazer o que outros estão fazendo”, encontre primeiro a sua razão para transformar.

Por que o RH está mudando?

Entre as tendências apontadas pela Deloitte em sua pesquisa global do Capital Humano, em 2017, uma delas é o RH ágil. É esse novo papel que vai além de fazer digital e se incumbe de tornar a empresa digital, o ser digital. Por conta da expectativa de experiências digitais integradas com o trabalho, há um novo foco na atuação do profissional de RH. Para acompanhar a transformação digital, o setor deve não apenas mudar a si mesmo, mas promover uma mudança macro.

 

O mercado de fornecedores também está se repaginando. A pesquisa ainda apurou que há uma série de produtos e soluções digitais para um RH ágil chegando ao mercado. E, grande parte delas, giram em torno de aplicativos mobile, inteligência artificial e a experiência semelhante ao do consumidor. O RH está mudando por conta das ferramentas estarem permitindo inúmeras possibilidades, como a instantaneidade, o acontecimento em tempo real. Prova disso é que a IBM, com mais de 4.000 pessoas, está conduzindo uma migração para o RH ágil ancorada em soluções digitais.

 

6 estágios para a transformação do RH ágil

Em artigo sobre a transformação digital do RH e sua mudança para o RH ágil, Neelie Verlinden, co-fundadora e editora-chefe da Digital HR Tech, esclarece quais são os estágios para que ocorra tal fenômeno. Como ela explica, não há nenhuma mágica. Uma organização não deixa de ser digital (ou pouco) e começa a ser 100% digital em questão de dias. Uma verdadeira virada de chave leva tempo. Para especificar como isso se dá, a autora traz os conceitos de Brian Solis, analista e futurista da Altimeter. Ele descreve as seguintes etapas da transformação digital:

 

  1. Estabelecer um objetivo com clareza: uma jornada de transformação precisa de uma meta que faça sentido em uma perspectiva de negócios.
  2. Incluir toda a equipe: de funcionários até a diretoria, todos devem estar envolvidos na transformação digital do RH ágil.
  3. Não complicar excessivamente: começar simples e pequeno. Definir o que é prioridade.
  4. Priorizar ideias: provavelmente você terá uma lista grande de ideias, priorize a partir do impacto e esforço despendidos.
  5. Avaliar o desempenho: é preciso analisar os resultados e avaliar o que funciona ou não funciona.
  6. Cultura é importante: a tecnologia digital não consegue sozinha a transformação do RH ágil. Uma mentalidade digital é fundamental para uma transformação de sucesso.

 

Tudo pronto para começar a transformação digital para um RH ágil? Comente aqui.

4 comentários nesta publicação

  1. Dira

    Adorei as dicas, parabéns pelo blog.

    Reply
    • Maria Augusta Orofino

      Obrigada pelo feedback. Isso nos motiva a continuar escrevendo.

      Reply
  2. Caroline Sousa

    Parabéns pelo artigo! 🙂

    Reply
    • Maria Augusta Orofino

      Obrigada, Caroline.
      abs

      Reply

Comentar

Compartilhe a BEEFIND

Compartilhe o conhecimento em suas redes!